NOTÍCIA

Reitor e reitora da UFMG são alvos de condução coercitiva pela PF por desvio de verbas em Memorial

Reitor e reitora da UFMG são alvos de condução coercitiva pela PF por desvio de verbas em Memorial

O reitor e a vice-reitora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Jaime Arturo Ramirez e Sandra Goulart Almeida, foram conduzidos coercitivamente, na manhã desta quarta-feira (6), para a sede da Polícia Federal (PF) em Belo Horizonte, no bairro Gutierrez. Os dois foram levados no âmbito da operação Esperança Equilibrista, que investiga desvios da ordem de R$ 4 milhões nas obras do Museu de Anistia Política.

Além de Jamie e Sandra, outras seis pessoas foram alvo de condução coercitiva, entre elas o presidente da Fundação de Desenvolvimento e Pesquisa (Fundep), Alfredo Gontijo de Oliveira e o ex-presidente da fundação José Nagib Cotrim. Também foram alvos Ronaldo Pena (ex-reitor), Clélio Campolina (ex-reitor), Rocksane de Carvalho Norton (ex-vice reitora) e Heloisa Gurgel Starling (ex-vice reitora).

Além das conduções coercitivas, a operação Esperança Equilibrista (uma referência a um trecho da música “O Bêbado e a Equilibrista”, de João Bosco e Aldir Blanc, considerada o “hino dos anistiados”), cumpriu 11 mandados de busca e apreensão. Ao todo participam da ação 84 policiais federais, 15 Auditores da Controladoria Geral da União (CGU) e dois do Tribunal de Contas da União (TCU). Desde o início das investigações, a ação conta com o apoio da CGU e do TCU.

Segundo apurado durante o inquérito da PF, até o momento, teriam sido gastos mais de R$ 19 milhões na construção e pesquisas de conteúdo para a exposição. Porém, o único produto aparente da obra é um dos prédios anexos, ainda inacabado.

Do total repassado à UFMG, quase R$ 4 milhões teriam sido desviados por meio de fraudes em pagamentos feitos pela Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (Fundep), contratada para pesquisas de conteúdo e produção de material para a exposição. Os desvios até agora identificados pela investigação teriam acontecido em pagamentos a fornecedores sem relação com com o projeto e de bolsas de estágio e de extensão.

Idealizado em 2008, o projeto do Memorial tem como objetivo a preservação e a difusão da memória política dos períodos de repressão, contemplados pela atuação da Comissão da Anistia do Ministério da Justiça, a partir da reforma do “Coleginho”, no bairro Santo Antônio, região Centro-Sul de Belo Horizonte, onde seria instalada uma exposição de longa duração com obras e materiais históricos, além da construção de dois prédios anexos e uma praça de convivência.

Segundo a Polícia Federal, o montante desviado pelo esquema fraudulento deve aumentar até a conclusão do inquérito, após as análises dos materiais apreendidos e interrogatórios dos envolvidos.

 

 

 

Fonte: (http://hojeemdia.com.br/)

93fm radio

dezembro 6th, 2017

Nenhum Comentário

Comments are closed.

Error. Page cannot be displayed. Please contact your service provider for more details. (16)